Buscar no Portal

02 de Março, 2017 às 09:41 Por: wK1

Chupando os surfistas na trilha para praia (ainda no carnaval)

tags: Casada putinha;
Esse conto possui 11832 visita(s).

Sou Raquel, 41 anos, casada a 6 aninhos, moreninha clara, peitinhos grandes, bundinha média e do bem, bem assanhadinha.
Esta domingo de carnaval e estávamos, eu meu marido e meu comedor fixo (Sr Paulo) em uma casa alugada. Por volta das 11:00 meu marido chegou do mercado com o Sr Paulo, olho para camisinha no sofá (quem quiser saber como chegou lá leia meu conto anterior) e me convidou para uma saída:
Mor: - Mais já, mal saiu e já aparece uma camisinha cheia de porra no meu sofá.
Eu: - Trouxe para vc mor, sei que gosta de receber mimos.
Mor: - Já que está assanhadinha vamos dar uma trepada em plena luz do dia? Vamos Sr Paulo?
Sr Paulo: - Opa, para comer sua mulher vou em qualquer lugar.
Mor: - Conheço uma praia que tem uma trilha legal, quem sabe a gente não encontra mais algumas picas para minha esposinha.
Eu: - Ai, vcs acham que sou puta mesmo, que dou para qualquer um.
Mor: - E o que é essa camisinha cheia de porra no sofá.
Eu: - Era o filho do vizinho. O que eu podia fazer. Ele queri a me comer.
Mor (rindo): - Vamos.
Fomos um trecho de carro, pegamos uma balsa e pegamos a trilha. Segundo eles. uns 30/40 minutos. Sei que no caminho os dois só me bolinavam, tiravam meus peitos para fora, enfiavam o dedo na minha buceta. colocavam a pica para fora e pediu para eu chupar. Deste jeito não íamos chegar nunca na praia.
Sei que quando eu chupava a pica do Sr Paulo em plena trilha eis que ouvimos vozes chegando. Meu marido foi ver quem era e pedi eu continuar a chupar (eram 2 surfistas). Meu marido cumprimentou enquanto eu, de costas chupava a pica do Sr Paulo. Meu marido amenizou.
Mor: - É minha esposa, ela gosta de um leitinho na trilha.
Surfista 1: - Caramba. E ele não quer mais.
Mor (falando por mim). Tem ai?
Eu ( me virando para os dois): - Vem, vem que é domingo de carnaval. Pode tudo.
Surfista 2: - Sua esposa cara? (perguntando para meu marido).
Eu, levantando o dedo do anel de casamento: - Claro, pensou que era uma putinha? Sou mulher casada.
Surfista 1 (rindo, acho que tinha fumado uma): - Caramba, numa vi uma esposinha destas que dão para todos.
Mor: - Pois aproveita.
Os dois é claro já estava ali com as pirocas para fora enquanto eu chupava. Sei que em pouco tempo jorram leitinho na minha cara.
Sr Paulo: - Toma leitinho sua puta casada. Toma leite de macho na cara.
Os 3 me encheram de porra, que escorria pela cara e caia nos peitinhos, a essa hora, claro, para fora do biquine.
Eu: - Olha mô, eles esporram na minha cara. Não vai fazer nada?
E o mor, safadinho: - Claro que sim, vou gozar também.
Sei que a porra dele foi parar no meu cabelo, me sujando toda.
Mor: - A praia tá longe?
Surfista 1: - Longe a beça ainda, uns 40 minutos.
Mor: - Caramba. Vamos voltar.
E voltamos todos, falando putaria e continuando sendo bolinada, agora pelos 4. Eu, me limpei, mas a porra ainda escorria pela minha barriga, quando cheguei o carro. Passamos por alguns casais que com certeza notaram meu cabelo cheio de esperma. Aqui me excitava e como sei excitava meu maridinho também.
Assim, voltamos para praia sem nem ter ido, mas com certeza foi muito gostoso levar porra na trilha, de dois desconhecidos (sem contar do meu maridinho e do comedor é claro, mas essas são de casa).
Mor (chegando em casa): - Vai tomar banho, raspar a bucetinha que a noite vc vai receber umas visitas.
Eu: - machos?
Mor:- Claro, vc acho que eu ia trazer buceta para vc.
Eu: - Por que não. Vc sabe que eu gosto também
Sr Paulo: - Vcs são muito safados mesmo. Não acredito.
Eu: - Agora diz que não acredita, mas na hora de comer o cuzinho da esposa do seu amigo, vc não fala nada.
Assim, a pedido do marido fui tomar banho para receber os meus comedores.

Comentários

Ainda não há comentários para esse conto.