Buscar no Portal

15 de Novembro, 2016 às 20:44 Por: dindo

A filhinha do papai

tags:
Esse conto possui 69867 visita(s).

Bem toda a mãe tem seu filho preferido. Com os pais não foge a regra.
A minha filha preferida sempre foi a mais velha, a Solange. Desde pequena.
Desde quando ela nasceu, ficou sendo a minha filhinha do papai, não que eu não gosta-se da mais nova, muito pelo contrario, mais a Solange por ter sido a primeira e por parecer muito comigo. Ficou sendo a minha preferida.
O tempo foi passando e ela crescendo, mais sempre sendo a minha filhinha do papai.
Todas as vezes quando eu chegava do serviço, ela corria para me abraça e me beijar. Nos fins de semana me pedia para lhe ensinar o dever de casa.
Sentava em meu colo, com seus cadernos. Então fazia o dever e eu o corrigia.
Até ai nada de mais, era um pai ensinando sua filha.
Quando ela tinha 7 anos eu estava em casa, com meu short largo como de costume. Só que neste dia eu estava com muito tesão, e nem me toquei que era sábado dia da lição de casa da Solange.
E estava com meu caralho duro, nisto Solange veio e se sentou em meu colo, como de costume.
Levei o maior susto, pois estava bem distraído, pensando sacanagem, lógico que ela percebeu que meu pau estava duro.
Mais ao invés dela sai ou eu tirar ela do meu colo, não foi o que aconteceu.
Ela continuou sentada e me olhando um tanto confusa.
E eu também fiquei a olhar para ela com certo constrangimento.
Pois nunca passou pela minha cabeça de ter algo com ela, muita mais por ser uma criança.
Depois de certo tempo, meu caralho muchou, para o meu alivio.
Mais ela ficou inquieta em meu colo, sempre se remexendo.
O tempo foi se passando, e continuávamos com as lições de casa aos sábados.
E sempre ela sentando em meu colo.
Teve um dia que ela ao sentar em meu colo perguntou.
Pai quando e que o senhor vai ficar com o pau duro de novo.
Quando ela fez está pergunta estava já com seus 9 para 10 anos.
Está pergunta me deu um calafrio, pensei o que a filhinha ta querendo.
E por incrível que pareça o meu caralho começou a ficar duro.
Ela abriu um sorriso enorme, e começou a se remexe no meu colo.
E aquela situação estava mexendo comigo, e por incrível que pareça eu estava gostando daquilo.
Aquela sensação de pecado estava ficando cada vez mais exitante e gostoso.
Me arisquei e coloquei minha mão em sua bucetinha por cima da sua sainha.
Mais só fiquei com ela parada, mais a danadinha abriu mais um pouco as pernas como dizendo vai enfia mais a mão nela.
Neste dia nem ela e nem eu prestamos atenção mo dever de casa.
E está situação começou a ganhar mais prazeres.
Agora quando ela vinha fazer o dever de casa sempre vinha sem calcinha por baixo da sainha.
Teve um dia que ela quando foi se sentar em meu colo, levantou a sainha, para que eu vise que ela estava sem calcinha, e me pediu.
Põem ele para fora, quero sentir ele na minha bundinha.
Falei que estávamos indo longe demais com o nosso tesão. Mais acabei tirando o meu caralho duro para fora, e ela se sentou nele, e ao sentir aquela bundinha em meu caralho, foi tão exitante, que mesmo um tanto preocupado com aquela situação, segurei bem firme sua bucetinha, lizinha e carequinha.
Pedi a ela que fica-se de pé na minha frente e levanta-se a sainha.
Ela prontamente atendeu.
Fui e comecei a beijar aquela bucetinha e chupar bem gostoso.
Depois que acabei de chupar sua bucetinha, ela se abaixou e de uma vez só enfiou o meu caralho em sua boca, e como chupava gostoso a filhinha do papai.
O tempo foi passando e a nossa travessura continuava cada vez mais quente e gostoso.
Quando estava já com seus 12 para 13 anos, seus peitinhos começaram a se forma. E agora eu tinha mais uma delicia nela para saborear. Como ainda eram como 2 limões, cabiam todinho em minha boca, e era muito gostoso chupar.
Em uma quinta feira eu não fui trabalhar. Minha esposa foi com a minha outra filha na casa da tia dela, e toda a vez que ia lá só voltaria para casa la pelas 22:00 horas.
Então por volta das 14:00 horas Solange chegou da escola.
Como eu sabia que ela iria chegar, tratei de ficar só de cueca. Sentei-me no sofá, já com o meu caralho duro.
Quando ela chegou e me viu, jogou sua mochila no chão e veio se sentar em meu colo, só que desta vez ela me deu um beijo na boca bem apaixonado, um beijo de língua.
Lógico que eu já estava com a minha mão em sua bucetinha.
Ela levantou-se tirou a calcinha, puxou o meu caralho para fora da minha cueca, areganhou as pernas e se sentou de frente para mim, fazendo o meu caralho sentir a brecha da sua bucetinha que agora já tinha um pouco de pelinhos.
Nossa aquilo me fez ir a loucura do tesão máximo, eu sentindo a bucetinha da minha filhinha em meu caralho doidinha para que o meu caralho entra-se nela.
Susurei em seu ouvido.
Papai que comer a sua bucetinha.
Ela sorriu e falou.
A filhinha quer que papai coma a minha bucetinha e o meu cuzinho.
Perguntei a ela.
O que a filhinha quer que o papai coma primeiro.
E ela respondeu.
A minha bucetinha, pois a muito tempo que ela ta pedindo o seu caralho. Pois quero que o seu caralho seja o primeiro a entra e tirar o meu cabaço.
Então peguei-a no colo e a levei para a minha cama.
Deitei-a e fui passando a língua pelo seu corpo juvenil. Chupei seus belos e pequenos peitinhos e ao mesmo tempo alisava sua bucetinha.
Depois continuei a passar a língua em seu corpo, indo até seu umbigo e descendo até sua bucetinha, depois de chupar muito aquela delicia.
Areganhei suas pernas e comecei a enfiar o meu caralho, como ainda era virgem estava um pouco difícil para enfiar aos poucos.
Ela começou a gemer de tesão junto com dor da primeira vez.
Como estava difícil, dei uma estoca bem forte, que ela acabou gritando de dor e prazer, chegou a sair uma pequena lagrima mais seu rosto tinha um sorriso de felicidade.
Gozei como um louco na bucetinha da minha filhinha do papai, mais o meu caralho não ficava mole.
Então aproveitei e colocando de quatro, passei um pouco de vaselina em seu cuzinho e no meu caralho, areganhei o seu cuzinho e de uma estoca só enfiei ele todinho, ela tornou a gritar, mais a danadinha rebolava e segurando a minha cintura me puxava para que o meu caralho entra-se mais ainda.
Todas as vezes que eu e a minha filhinha do papai estávamos fazendo a lição de casa a minha esposa nós ficava a observa, aquilo começou a me intrigar.
Mais não dei muita importância para o fato. O que mais me importava era aquele sexo gostoso que eu agora todos os sábados depois da lição de casa fazia com a minha filhinha, lógico quando tínhamos liberdade.
Mais certo dia minha esposa e a Solange estavam tomando banho, quando minha esposa me chamou, pensei porá deve ser para eu matar uma barata.
Quando entrei no banheiro a minha esposa disse.
Vem tomar banho com a gente, não se assuste, pois eu também quando jovem fiz muito sexo com o meu pai, vocês achava que eu não sabia o que vocês fazia.
Já fui muito pirada e apaixonada pelo o meu pai assim como ela e, foi o meu pai também que tirou o meu cabaço, assim como você tirou o dela.
Antes mesmo que a minha esposa termina-se eu já estava pelado passando o meu caralho na bundinha da minha filhinha.
Nossa vocês não perde tempo mesmo né.
E puxou a minha mão para a sua buceta carnuda.
Enfiei um dedo nela, nisto minha filhinha ficou de quatro e eu comecei a enfiar o meu caralho no seu cuzinho.
E ao mesmo tempo tocava uma punheta na buceta da minha esposa.
Depois foi a vez de eu enrabar a minha esposa e tocar uma punheta na filhinha do papai.
Depois deste banho fomos os três para a nossa cama, e chegando lá comecei a fuder a minha filhinha enquanto chupava a buceta da minha esposa, depois de um tempo foi o inverso. Estávamos deitado eu no meio, com uma mão com um dedo enfiado na buceta da minha filhinha do papai e a outra mão também com um dedo enfiado na buceta da minha esposa e ambas segurando o meu caralho.
Quem entra em nosso quarto.
Isto a filhinha mais nova.
Mais o que aconteceu só vou contar no outro conto.

Comentários

16 de 11, 2016 às 17:03
Comecu
Manda fotos dos peitos, buceta e cuzinho no email: [email protected]

1