Buscar no Portal

07 de fevereiro, 2018 ŕs 13:40 Por: Daniel Polansk

A irmã da Minha namorada

tags:
Esse conto possui 1969 visita(s).

Logo após sair do exercito eu fui trabalhar na oficina do meu padrinho, e a noite fazia faculdade, nessa época conheci a Lidianne, morena linda uma excelente companhia, começamos uma amizade e logo já estávamos namorando, só tinha um problema seus país eram muito rígidos principalmente sua mãe não dava trégua, ficava vigiando nosso namoro, não podíamos sair sozinhos ou seja a gente não podíamos Transar de jeito nenhum, no máximo que conseguíamos era a mão naquilo e aquilo na mão.
Certa vez fomos ao casamento da prima da Lidianne que era em uma chácara, e nesse dia ficamos dançando , conversando com as pessoas e reparamos que a sua mãe estava em uma conversa animada com a sua tia, aproveitamos para dar uma volta pela chácara, chegamos e um local afastado onde tinha um lago e uns bancos, sentamos e começamos a dar uns amassos , logo ela estava com meu pau na mão me punhetando , até que consegui que ela chupasse meu pau, coisa que ela começou desajeitado mais foi pegando jeito, enquanto isso já estava com dois dedos na buceta dela e estávamos loucos de tesão, pedi a ela para colocar uma perna no banco, e tirei a calcinha dela e dessa forma e chupei bem gostoso tanto a bucetinha como o cuzinho dela deixando-a em excitação plena, foi quando a coloquei de quatro apoiada no banco e a penetrei gostoso, no começo foi com certa dificuldade pois ela ainda era virgem, mais foi se acostumando e relaxando num vai vem alucinante, em seguida eu sentei no banco e ela veio sentar em meu colo, começamos outro vai e vem e ela gozar novamente em seguida eu também gozei, arrumamos nossas roupas e voltamos para a festa, tentando ficar o mais natural possível, mais acho que a satisfação estava em nossa cara, pois em 10 meses de namoro essa foi a nossa primeira transa. No dia seguinte eu não me cabia em mim de tanta alegria, resolvi passar na casa dela para dar uma beijo antes de ir para a faculdade, lá chegando fiquei sabendo que sua irmã iria passar uns dias na sua casa e que chegaria no final de semana. No final de semana como tantos outros eu fui namorar na expectativa de conseguir outra foda, saímos da sala e fomos para a varanda quando um taxi parou em frente a casa, e logo ela falou – Amanda, minha irmã, logo a porta se abril e mão dela foi em direção ao taxi com os braços abertos e as três se abraçaram , eu fiquei ali parado foi quando minha namorada me apresentou – esse é o meu namorado Daniel,- eu disse muito prazer em conhece-la , ela me olhou de cima em baixo fez de conta que eu nem existia , nesse momento fiquei irado, mas Lidianne me falou liga não ela é assim mesmo, nesse momento resolvi ir embora, mais no Domingo lá estava eu novamente para namorar e a presença da irmã da Lidianne nos dava um pouco mais de liberdade, mais sempre que estávamos sozinhos em algum lugar ela aparecia e interrompia o que estávamos fazendo eu ficava irritado com isso, até que notei que ela fazia de proposito só para me irritar, certo sábado fui até a casa da minha namorada, ao chegar a irmã que veio abrir a porta pois mão não estava, ela estava com um microssaia a poupa da bunda amostra, ela me disse – senta ai no sofá que minha irmã já vem e saiu rebolando minha excitação foi imediata, em outra ocasião eu estava esperando minha namorada sair do banho quando ela desceu com baby doll transparente sem calcinha, nossa isso me deixou louco, mais eu não sabia qual era a intenção dela e fiquei na minha, pois ela sempre me tratava mau, me chamava de neguinho, então fiquei na minha, até que um dia ela pegou o carro do pai e foi na oficina do meu padrinho e falou- o freio desse carro está com defeito pode ver prá mim, disse –sim, ela estava com uma minissaia branca e todos na oficina ficaram babando, teve um dos mecânicos que até deixou a caixa de ferramenta cair, fui olhar o carro verifiquei todo o sistema de freio e falei não há nada de errado, ela disse – devo ter me confundido, mas você tem um cartão da oficina, disse –sim , e entreguei o cartão de visita a ela que abriu a porta e se inclinou para guardar o cartão deixando sua calcinha a mostra, passou para o outro lado e foi embora, uma pouco antes de dar a hora de eu ir embora meu padrinho veio com o telefone e me disse- toma cuidado garoto, eu perguntei -quem é ele só falou atende e eu atendi ai ela me disse – passa aqui em casa depois que vc sair dai, fiquei encucado com isso, mais acabei indo, lá chegando bati na porta ela abriu já falando – entra e fecha porta, ao entrar fiquei parado sem ação, ela estava com vestidinho curto com as pernas abertas e sem calcinha, não quis perder tempo e cai de boca chupei aquela bucetinha lisinha, chupei, chupei fui até o cuzinho dela e ela se contorcia e falava- mete essa língua no fundo da minha buceta neguinho, até que fizemos um meia nove gostoso, quando ela se posicionou de quatro e falou vem meu neguinho vem, comecei a enfiar devagarinho, cm por cm até entrar tudo começamos um vai e vem delicioso e ela rebolava na minha rola como louca, e ela gozou e pediu para eu sentar e ela veio de costas e sentou no meu pau e começou um vai vem alucinante e ela gozou novamente, ai eu disse que queria comeu o cuzinho dela ela disse – até que enfim você vai comer ele , eu enfiei tudo sem dó de uma vez só ela rebolava e eu não estava mais aguentando estava quase gozando ai ela pediu para eu gozar na cara dela, mais que foda, tomamos um banho e eu fui embora.
Repetimos por algumas vezes até ela voltar para casa dela, hoje ainda repetimos essa loucura até o marido dele ir busca-la.
Espero que gostem wdamile@hotmail.com

Comentários

Ainda năo há comentários para esse conto.