Buscar no Portal

01 de fevereiro, 2018 às 11:57 Por: wK1

Sendo entregue para um comedor especial e levando muita porra na buceta

tags: Esposa puta; Corno manso; porra na buceta; anal; oral;
Esse conto possui 3040 visita(s).

Sou Raquel, 42 aninhos, moreninha safada dos seios grandes, bunda gulosa, casada mas liberada pelo marido.

Depois de ter chupado minha buceta cheia de porra do garotão meu marido, quero dizer, corninho, ficou louco para me ver cheia de porra. De preferência de muitos machos diferentes. Acho que ele passou o final de ano todo matutando isso.

Nosso final de ano foi tranquilo. Muita correria, mas pouco sexo. Ficamos só entre os dois mesmo. Levei vara no cú na virada de ano, mas foi do maridinho mesmo, nem conta, né?

Semana passada ele disse que eu teria uma surpresa. Me comprou um vestidinho de puta, perfume novo, batom, salto alto daqueles que se amarram nas panturrilhas. Sabia que viria algo especial. Só não me falou o que seria.

Na sexta-feira ele chegou cedo em casa e me aviso: - É hoje.

Fomos para o banho e ele me me lavou todinha. Raspou a bucetinha, dizendo putarias e me deixando louco. Quase gozei no chuveiro, mas ele não deixou. Disse que queria me ver gozando como puta na pica de um comedor especial. Quem seria esse comedor.

Me vesti a caráter e saímos. No elevador quem eu encontro. Nosso visinho viúvo que já me comeu umas 3 vezes. Não nos comprimentamos, pois para ele, meu marido não sabe de nada. Mas fiz questão de deixar meu marido na frente e atraz levantei um pouco o pano do vestido que tinha e expus minha bunda para o safado. Ele não titubeou e meteu a mão minha bunda. Eu abri as nádegas e ele enfiou o dedo no meu cú.

Olhei para traz e dei aquele sorrisinho de puta. O batom vermelho forte, a maquiagem carregada, o decote mega ousado me faziam uma verdadeira cadela com o dedo enfiado no rabo. É claro que o elevador chegou rápido no estacionamento. Foram só alguns segundos, mas aquilo já me molhou toda. Falei para o mozão que disse que sabia que tinha algo acontecendo atrás e por isso nem virou o rosto para não atrapalhar. Por isso adoro o meu corninho. Ele sabe ajudar eu a ser puta.

Esse comedor vai ter que esperar outro dia para me comer, já que hoje eu estava separada para um comedor especial. Quem seria?

Chegamos no motel de costume, só eu e meu marido. Era por volta das 9:00 da noite. Não tinha ninguém então ele foi preparar a banheira e eu fiquei assistindo filminhos na TV. Por volta das 9:30 toca a campainha. Meu marido colocou uma venda em mim para eu não ver quem era. Fiquei sentada na cama do motel enquanto ele atendia a porta.

O comedor entra e se coloca da minha frente. Meu marido pede com voz de macho: - Vai putinha, tira a calça do seu comedor. Tira.

Comecei a abaixar a calça e já dava para notar que a pica era enorme. Abaixei a calça e fiquei só alisando a pica sob a cueca. Meu marido neste momento só me filmava.

Mor: - Já adivinhou quem é?
Eu: - Ainda não mor...mais um pouquinho. Eu conheço.

Mor: - Conheçe, claro.

O comedor deu uma ligeira risada, que me parecia familiar, mas ainda não sabia.

Eu: - Posso me levantar, para apalpar o corpo todo?

Mor: - Claro que nao, ai é fácil. quero que você tente descobrir pela pica.

Eu: - Nossa. Será eu vou reconhecer.

Mor: - Vai lá, abaixa a cueca do seu comedor.

Eu abaixei lentamente e senti a pica saltar para fora da cueca. Era enorme, uma das maiores que já tinha tocado. Grande, grossa, com veias salientes. Meti a boca e comecei a mamar.

Mor: - isso putinha, mama.

Pelo tom de voz do Mor senti que ele estava batendo uma. Mamei gostoso e sem pressa. O comedor ali de pernas abertas na minha frente.

Mor: - Já desconbriu quem é?

Eu, já imaginando quem seria, mas sem certeza comecei a fazer o jogo: - É um parente?

Mor: - É.

Eu: - Já me comeu antes?

Mor: - Claro putinha. Quem ainda não te comeu?

Eu (rindo): - Faz tempo que ele não me come?

Mor: - Já descobri né putinha.

Eu: - Não sei mor, (vozinha de bebe). É meu primo Ricardo?

Mor: - Olha.

Tirei a venda e olhe para frente aquela escultura de homem. Ele estava mais forte, mais musculoso. A pica continuava a mesma, 23 CM de piroca grossa e dura. Me joguei nos braços deles e tasquei-lhe um beijão de felicidade. Me corno só na filmante. Me joguei completamente nos seus braços e entrelacei minhas pernas na sua cintura. Sentia a pica encostando na minha bunda. Depois de uma prolongado beijo olhei para o corno e digo: - Te amo mor, te amoooo.

Ricardo: - A putinha tava com saudades mesmo.

Eu (saindo de colo dele e segurando sua rola): - Claro, olha o tamanho disto.

Meu marido não parava de filmar: - Vai mor, fala mais da pica do Ricardo.

Corno mesmo. Comecei então a apresentar a pica para video: - Olha mor, olha que piroca gostosa. Imagina isso no cuzinho da sua puta. imagina o estrago que vai fazer. Hummmmm. (beijando a pica do safado) Que delicia, delicia delicia (esfregando a pica na minha cara). Vc sabe mesmo do que a putinha gosta, né mor.

Mor: - Claro que sei. Eu que a fiz assim.

Eu: - Sei, vc está de olho na pica dos meus comedores. isso. Sim. Pode passar a mão.

Ricardo: - Não precisa ter vergonha, pode passar a mão corninho.

Eu, bitocando a lateral da pica: - VAi mor, dá uma mamada.

Ricardo: - Vai lá corno. Minha pica sua rola. Pode mamar.

O Mor me deu o celular e eu comecei a filmá-lo mamando a pica do Ricardo. Nunca imaginei que isso poderia acontecer. Meu marido chupando piroca do meu primo e eu filmando tudo. Ficava cada vez mais molhada. E enquanto ele não tirava a pica da boca eu tirei o vestido e fiquei só de salto alto e toda raspadinho.

Ricardo:: - Nossa, que delicia de buceta tem a sua mulher corinho.

Eu: - Ele que raspou, passa a mão.

Enquanto o mor mamava a rola o Ricardo enfiava o dedo na minha buceta já toda melada.

Ricardo: - Caralho. toda melada como puta.

Eu: - Sua puta Ricardo. Sua puta.

Mor levantou sorrindo: - E tem mais. Que ver essa bucetinha cheia de porra.

Aquela me excito mais ainda. O Ricardo não tinha me comido sem camisinha, e isso, apesar de errado é mais excitante. É claro que antes de me oferecer para os comedores o meu Mor exigiu exames clínicos. Eu confio no Mor e me entreguei completamente.

Eu (toda excitando): - Vamos começar com isso logo, vem Ricardo, vem me fuder, vem.

Me joguei na cama, abri as pernas e arreganhei minha buceta: - Filma mor, filma a sua puta dando para um macho de verdade. Quero gozar muito.

Ricardo: -- Tranqueira essa sua mulher. Vai ser puta lá na zona.

Mor: - Assim eu gamo.

Eu: - Vai Ricardo, mete logo, me fode, me fode, me fode. (estava no cio total, gemendo como criança).

Ricardo: - Toma vara sua puta, toma.

Eu: - Ahhhhh, deliciaaaaaa!!. Que saudade desta rola. Filma mor, filma sua puta, filma. Caraaaaalhooo que pica gostosa.

Ele foi enfiando e melada como tava entrou toda fácil, fácil

Ricardo: - Tá usada essa sua puta, heim corno. Minha pica nem faz cosquinha. (enquanto bombava na minha buceta).

Eu: - Claro, aqui é buceta de esposa de corno. Levei mais rola que voce pode imaginar.

Mor: - isso putinha, geme na rola do Ricardão.

Eu (gemendo): - Ai morrr, vc é muito corninho mesmo. Isso que vc imaginava para sua esposa. Rola na buceta, muita rola.

Mor: - E ver ela toda esporrada. Muita porra.

Eu: - Corminho viado, vc vai ter. vai ter.. Né Ricardo. Me lambuza, me faz de puta. Me fodeeeee. carrallhooooo que gostoso. ahahahhhhhhhh (Gozei freneticamente com aquela rola gostosa preenchendo minha buceta)

Estávamos no papai mamãe e logo me pus de quatro e ele meteu de novo na buceta. Ele fudendo gostoso quanto toca a campainha. Olho para o mor e ele dá aquele sorrisinho: - Mais porra amor, mais porra.

Eu (para o mor): - Te amo…

Ele deixa a filmagem e vai atender a campainha que tocava. Ricardo continua me comendo. A rapaziada entra, eram quatro. Enquanto Ricardo comprimenta um a um e me atresenta. Continua bombando. (Carlão, Felipe, Sidney e Douglas (Dogão)) . Fui apresentada enquanto levava rola e gemia olhando para os calções deles.

Dali a pouco me levantei e fui dar uns beijnhos de apresentação. Homarada só me apalpando na bunda e peito, e enfiando o dedo no meu cú. Maridão não largava a filmagem.

Eu: - Perai gente, só um minuto.

Comecei a tirar e a cueca do mor que estavam pela metade enquanto arrebitava a bunda para os comedores. Enquanto o mor mi filmava olhei para camera e dando uma bitoquinhas nela disse: - Hoje vai ficar só na punheta, tá. Amanha vc me fode no cú.

As homarada davam risadas, e o corno também.

Volte para os machos e pedi pica. Faziam fila para me comer. Um a um, todos sem camisinhas. Estava no cio total e nem ligava. Corninho só filmando.

Eu: - Ai mor, que delicia, um monte de macho me comendo, ardooooorrooo.

Ricardo: - Vai puta, aproveita que não é todo dia que tem pica sobrando.

Eu: - Quero no cú. Vai mor, filma ai.

E um a um metendo meu rabo, com Ky é claro, e um a um foram me fudendo. Gozei mais uma vez com uma rola no cuzinho enquanto olhava para o corno e me declarando para ele: - Corninho, por isso te ammoooooo…. Só vc para me deixar gemer com uma rola desconhecida no cúuuuuuuuu. Caralhoooooooooo. - Vcs precisavam ver a carinha de felicidade dele.

Ricardo ficou por ultimo já que a piroca dele era a maior e mais grossa, Pelo menos 5 centímetros maior que as outras.Confesso que não aguentei a pica toda não. Ficaram uns 5 centímetros para fora. Mas isso não é de dar vergonha não. Afinal estava dando conta de 5 machos nervosos por buceta.

Eu: - Caralhooo mor, que delicia era rola no cú.

Mor: - Vai puta, engole mais, engole a piroca toda.

Eu: - Caralhoooo, dá não corno. dói demais.

Tirei fora e pdi: - Vai gente, quero prazer, quer porra na cara.

Mor: - E na buceta também.

Ficamos ali, os cinco sobre a cama e uma a um foram gozando na minha buceta. Apesar que o Carlão não resistiu e me esporrou toda nos peidos. O mor veio atraz e gozou também. Meu corno pode gozar nos meus peitinhos.

Fiquei literalmente esporrada. Toda, toda melada. Não tinha certeza se o corno queria limpar ela todinha então não ofereci. Acho que apesar de corno ele ficou com vergonha de tantos machos me chamando de puta, galinha, cadela, vadia, piranha. Estava sendo esculachada total. E amando tudo.

Fomos para banheira nos lavar e conforme as picas iam se reerguendo eu ia trepando e derrubando. Ficamos ali ali umas 4 da manhã quando não tinha mais nenhuma pica em pé.

Carlão: - Caralho, a buceta dá senhora é animal. Vai se fuder, não ficou um pica em pé.

Eu: - Aqui é puta profissional.

Os quatros se despediram e só fical o Ricardo. Conversamos até as 8 da manhã quando fomos embora. É claro que eu pedi para o Ricardo e ele deixou o corno do meu marido dar mais uma mamada. enquanto ele chupava minha bucetinha raspada na sua cara. Gosei denovo me siriricando vendo o corno do meu marido chupando a piroca mais gostosa que eu já experimentei. Vai entender né?

Comentários

Ainda não há comentários para esse conto.