Buscar no Portal

02 de Janeiro, 2018 ŕs 15:14 Por: thoreko

Acampamento

tags:
Esse conto possui 1938 visita(s).

O Acampamento
Ola, sou Thoreko, apelido que ganhei ainda quando criança devido ao tamanho do meu pau, hoje tenho 53 anos, sou loiro, tenho 1,78 mt, 80 kg, um corpo bem definido e tenho uma pica de 22 cm grossa. Sou casado com Ana Claudia, uma linda baixinha de 1,50, morena com seios fartos, coxas torneadas e uma xoxota pequena e lisinha. Estamos casados a 30 anos, não temos filhos, somos bem-sucedidos profissionalmente e levamos uma vida sexual muito ativa. Sempre fomos fieis um ao outro porem a uns 10 anos atrás sentimos nosso relacionamento esfriar e então sentamos para conversar sobre o assunto e resolvemos abrir nosso relacionamento. Passamos então a fazer parte de um grupo seleto de pessoas que realizam troca de parceiros, fizemos alguns ménages masculinos e femininos e até saímos sozinhos com outras pessoas, sempre com o consentimento do outro e nunca fizemos nada escondido e assim nosso relacionamento voltou a esquentar.
Bom vamos ao que interessa. O fato que vou narrar aconteceu no último feriado de 7 de setembro. Como era um feriado prolongado resolvemos ir acampar, fato corriqueiro em nossa vida, fizemos a lista de tudo que iriamos precisar e fomos ao mercado e uma vez já no caixa comentamos com a atendente Rosana que é nossa amiga que iriamos acampar, aliais somos amigos de quase todos em nossa cidade pois moramos numa cidade pequena onde todos se conhecem, e então ela nos disse que nunca havia ido acampar mais que tinha muito desejo de fazê-lo. De imediato Ana a convidou para ir junto conosco o que ela aceitou de imediato pedindo somente para confirmar a noite pois precisava conversar com o marido a quem estendemos o convite. A noite Rosana nos ligou e disse que o marido não poderia ir mais que ela estaria de folga e iria e disse que a outra moça do caixa, a Vanessa estaria querendo ir também mais ela poderia ir somente na sexta feira e nós iriamos na quarta-feira a noite para aproveitar bastante o feriado. E assim foi feito. Quarta feira a noite passamos na casa de Rosana, uma morena linda que lembra muito uma índia. Rosana tem estatura mediana, cabelos pretos lisos na altura do ombro, seios pequenos, coxas grossas e um lindo quadril largo. Acomodamos sua bagagem e la fomos nós para o camping que fica distante de nossa cidade uns 100 km. La chegando armei a barraca que é bastante grande pois temos o costume de acampar com bastante pessoas, nossa barraca tem 3 quartos e uma sala bastante grande. Arrumamos tudo e enquanto elas foram tomar banho preparei uma comidinha e uma caipirinha de vodka que gosto muito, quando elas retornaram a janta estava pronta e então fui eu tomar um banho. Jantamos, bebemos um pouquinho mais e ali ficamos até tarde batendo papo e ouvindo música bem baixinho apesar de estarmos num local um tanto quanto isolado, já pra não ser perturbados por pessoas indesejáveis como também não gostamos de perturbar. Hora de dormir e o celular da Ana toca, era da empresa onde ela trabalha pedindo para ela retornar que havia acontecido um problema no setor em que ela é responsável, por telefone ela amenizou o problema e acertou que iria no dia seguinte pra não pegar estrada a noite. Nesse momento a Rosana ficou triste achando que teríamos que retornar também mais a Ana a tranquilizou dizendo que somente ela iria e que até a noite estaria de volta.
Fomos dormir e a minha esposa ao entrar para o quarto da barraca já tirou toda roupa ficando somente de calcinha pois estava bastante quente, fato que me excitou e já encostei naquela bundinha pequena com o pau duro o que ocasionou um sexo gostoso e ela esquecendo que a Rosana estava no quarto ao lado e que estávamos numa barraca, se manteve como se estivéssemos sozinhos, gemendo e falando alto, talvez até porque estava um tanto embriagada. “Isso amor me fode gostoso”, “Minha buceta ta pedindo dessa picona”, “Mete no meu cu mais põe devagar seu puto”, “Ai caralho mete devagar, ta uma delícia mais meu cu ta doendo”, “Goza na minha boca”. Bem sexo feito, dormimos e quando foi bem de madrugadinha, tipo 6 horas a Ana se levantou, tomou um banho e voltou pra cidade pra resolver o problema la na empresa, levantei logo em seguida e também fui tomar uma banho e fiz um café e fritei ovos com bacon na chapa, nisso Rosana acordou, tomou seu banho e sentou-se pra tomar café. Conversamos bastante e logo em seguida a convidei para conhecer o camping pois era bastante grande e tinha várias atrações pra se desfrutar, por último fomos a piscina e somente ali vi quando Rosana ficou somente de biquíni que por sinal era bastante pequeno que pude ver o quanto aquela “índia” era gostosa. Ficamos por bastante tempo ali ora nadando, ora tomando sol e tomando uma cervejinha bem gelada. Já passava das 13 horas quando retornamos para nossa barraca e la fui eu preparar o almoço, e pra começar como sempre a caipirinha. Fiz a primeira e comecei a fazer o almoço e não demorou precisei fazer a segunda pois a Rosana tinha gostado tanto que tomou rapidamente. Percebi que sua fala estava “meio mole”, misturou cerveja com caipirinha sem estar acostumada a beber...não demorou muito e ela começou a chorar, perguntei então o que estava acontecendo, o porquê do choro e então ela me disse que a noite havia ouvido tudo que aconteceu entre eu e Ana e que estava triste porque em sua casa nada disso nunca havia acontecido, que seu marido nunca fez nada além do “papai e mamãe” e que ela havia casado virgem e até hoje permanecia fiel a ele mais ele não reconhecia isso e falou várias outras coisas. Tentei então acalma-la, me aproximei e puxei sua cabeça junto ao meu corpo e passei a acariciar seus cabelos e seu rosto, dizendo a ela pra esquecer tudo isso e se divertir afinal era pra isso que ela havia vindo. Mas a tesão falou mais alto naquele momento sentindo aquela mulher com o rosto colado ao meu corpo e reclamando que não sabia o que era ter prazer no sexo, que nunca havia chupado um cassete e nunca tivera sua buceta chupada por ninguém, que nunca havia dado a bunda apesar de ter desejo de experimentar, meu pau começou a reagir e a ficar duro e foi saindo da minha sunga sem que eu percebesse pois como já disse tenho 22 cm de pica e por coincidência a boca da Rosana estava na mesma altura já que ela estava sentada num banquinho. Fato inevitável, meu pau tocou a boca daquela mulher que não pensou duas vezes e começou a chupar. Como nunca havia chupado um cassete ela começou a lamber a cabeça do meu pau como se fosse um picolé. Segurei sua cabeça e me abaixei e lhe dei um longo beijo naquela boca carnuda, fato que a fez suspirar, abaixei então minha sunga e quando ela viu o tamanho do mau pau duro percebi que ficou um tanto quanto assustada, puxei sua cabeça encaixando meu pau na sua boca o que de início ela somente conseguiu colocar a cabeça mais depois foi se ajeitando e conseguia um pouco mais até porque além de grande meu pau é grosso, chupou por um tempo, punhetou e então a levantei, dei outro beijo e já fui tirando a parte de cima do seu biquíni e livrando aqueles peitinhos pequenos que mais pareciam peras, fui descendo a boca passando pela orelha, pescoço e quando minha boca tocou aquele peitinho Rosana se retesou por inteira. Chupei, apertei, brinquei com os biquinhos passando a língua em círculos o que fazia ela se arrepiar todinha. Fui então descendo e quando ela percebeu que eu iria deixa-la nua ali mesmo ela me segurou e pediu para entrarmos na barraca pois alguém poderia nos ver.
Entramos e já lá dentro ela mesma tirou a calcinha do biquíni ficando toda nua, que visão mais linda aquela xoxota lisinha com uma rachinha pequena. A puxei para o quarto a colocando deitada e voltei a beijar aquela boca macia como todo seu corpo era macio e fui descendo agora mais rápido pois queria sentir aquela bucetinha na minha boca. Quando cheguei e passei a língua pela virilha ela se estremeceu, abri então com as mãos aquela xaninha e toquei com a ponta da língua seu grelo e em seguida passei a língua por toda extensão daquela delicia fazendo Rosana soltar um gemido que mais parecia um urro. Fiquei ali por um bom tempo fazendo a gozar várias vezes seguidas, enfiando a língua e chupando aquele grelinho que parecia ser de uma menininha nova ainda. Ela já não aguentando mais de desejo foi me puxando para cima e fui me acomodando sobre aquele corpo delicioso e ela se ajeitando sob mim e quando sentiu meu pau tocar sua bucetinha ela sussurrou em meu ouvido, “por favor põe devagar, ele é grande e eu sou apertadinha, meu marido tem o pinto bem pequeno”. A tranquilizei e passei a pincelar meu pau naquela bucetinha que estava mais que melada, estava ensopada e ansiosa para receber um cassete. Forcei um pouco e a cabeça apesar de ter tido um pouco de resistência entrou com certa facilidade, coloquei um pouco mais e parei pra ela ir se acostumando e aos poucos ela foi relaxando e passou a rebolar embaixo de mim e então de repente já estava tudo dentro, então passei a tirar e a pôr com movimentos lentos e fui aumentando aos poucos e quando percebi que ela já havia se acostumado passei então a fode-la com mais força estocando cada vez mais aquela linda morena e ela dizia coisas como: “isso meu macho me fode de verdade, me faz mulher”, “soca esse cassete até o fundo”. Sem tirar meu pau de dentro daquela buceta nós trocamos de posição eu ficando agora por baixo e ela sentada em cima de mim e ela cavalgava como uma louca, tirava tudo e sentava de uma só vez e cada sentada era um urro. Nunca havia visto uma mulher com tanto tesão como Rosana estava, até parecia estar fora de si e não parava de falar e pedir pra ser fodida, pra ser arrombada. Quando percebi eu estava para gozar a coloquei de quatro e passei a socar naquela bucetinha com uma linda visão, daquela bunda que era perfeita e enquanto eu metia levei a mão até seu grelo e passei a massagear o que a deixava ainda mais louca e não demorou para eu gozar, segurei então em sua cintura e estoquei forte aquela potranca, metia com força até que gozei, gozei uma quantidade de porra que até eu fiquei assustado, nunca tinha gozado tanto assim. Continuei ainda metendo até que meu pau amoleceu ai então me deitei e ela deitou em meu peito e ali adormecemos por um tempo. Despertei com Rosana beijando meu pescoço e alisando meu pau com a mão. Quando viu que eu havia acordado ela montou em mim ajeitando meu pau bem no meio da racha e olhando nos meus olhos me disse: “Obrigado por me fazer feliz realizando meus desejos, mais ainda falta um e quero aproveitar esse momento, quero ser fodida no cu mais tem que ser com bastante carinho e paciência pois nunca dei para ninguém e você tem o pau muito grande”. Falando isso deitou sobre mim e me deu um beijo e foi ajeitando com o corpo meu pau que já estava duro novamente, na entrada da sua bucetinha e tão logo conseguiu foi rebolando e enfiando até que engoliu ele todinho e começou a cavalgar lentamente e vez ou outra tirava e esfregava na portinha do cuzinho e quando isso acontecia ela se arrepiava todinha. Percebendo então que ela realmente queria dar o cuzinho peguei um tubo de gel que sempre carrego comigo e com o dedo comecei a passar na entrada do seu cuzinho colocando ela de ladinho tipo posição fetal e introduzi um dedo com bastante gel e fui deixando que ela se acostumasse e depois mais um dedo e não demorou um terceiro, sempre usando bastante gel. Quando já havia colocado três dedos lubrifiquei meu pau com bastante gel e tirando os dedos encaixei meu pau e já fui forçando a entrada e quando entrou a cabeça inteira parei por um momento para se acostumar e coloquei mais um pouquinho e parando e colocando e Rosana em momento nenhum pediu para tirar ou reclamou que estava doendo, ela só gemia muito e vez ou outra balbuciava um “ai ou ui” mais sempre ajudando a penetração. Quando já havia entrado metade então comecei um vai e vem bem lento e aos poucos já tinha colocado tudo naquele cuzinho apertadinho e então passei a meter gostoso levando aquela femea faminta ao delírio. Num movimento mudamos de posição deixando ela por cima e não demorou para eu perceber que o gozo estava chegando então a coloquei de quatro e montei com vontade naquela bundinha linda enterrando meus 22 cm até as bolas naquele cuzinho virgem e metendo como um cavalo enchi aquele buraquinho de porra.
Já cansados fomos nos banhar e somente então fomos almoçar e durante o almoço chegou uma mensagem pelo WhatsApp, era Ana avisando que só retornaria no domingo de manhã, fato que me deixou feliz pois poderia ficar mais tempo com aquela morena deliciosa que estava faminta por sexo, percebi que ela também gostou da notícia. Após o almoço deitamos na rede e ali ficamos como dois namorados, juntinhos, trocando caricias e beijinhos e nosso feriado foi assim o tempo todo, ora na barraca trepando, ora na rede namorando e quando já tarde da noite fomos dormir Rosana me pediu para dormir de conchinha e para deixar o pau dentro de sua bucetinha o que atendi prontamente.

Comentários

Ainda năo há comentários para esse conto.