Buscar no Portal

08 de Outubro, 2017 ŕs 18:24 Por: carlos andrade

Eu, Nana e Cris

tags: namorada amiga duas motel
Esse conto possui 3177 visita(s).

Há muito tempo penso em escrever esse relato do que considero uma das melhores experiências sexuais que tive na vida. Todos os fatos são reais e apenas os nomes serão trocados.
Eu, Ricardo, na época com 24 anos, namorava a Nana, uma garota de 20 anos, muito linda e éramos apaixonados.
Tínhamos um relacionamento legal, nos curtíamos muito, mas eu sempre queria apimentar nossa relação. Líamos contos eróticos juntos e sempre víamos fotos de sacanagem e vídeos na internet... nossas transas eram muito boas... transávamos em todas as oportunidades que tínhamos. Enfim, gostávamos muito de sexo e praticávamos muito em motéis, na casa dela quando ficávamos sozinhos e mesmo enquanto os pais dela dormiam, no carro parado na rua em frente a casa dela... Lembro-me até dela me chupando na sala da casa dela enquanto sua avó dormia no sofá ao lado.
Nas nossas transas eu sempre pedia a ela para transarmos com mais uma mulher. No começo ela se mostrou um pouco desconfortável com a situação, mas depois começou a curtir a ideia. Entretanto não tínhamos ninguém específico em mente. Comecei então a perguntar sobre a Cris, uma amiga dela que era, além de gostosa, uma possível candidata, analisando algumas histórias que a Nana me contava sobre ela.
Então, em 2001, ela concordou em tentarmos. Num final de semana de dezembro havia uma festa de confraternização de final de ano da empresa onde ela e a mãe dela trabalhavam. Ela convidou a Cris para ir com ela e eu fui para um churrasco com ex-colegas de faculdade. Bebi bastante, e elas também na festa pelo que pude perceber quando saí do churrasco e fui até a chácara onde estava acontecendo a festa.
Concordamos os 3 em sair da festa e irmos embora. A mãe dela iria depois com o marido e a irmã dela, que também estavam na festa.
No caminho conversamos sobre ir para algum lugar e continuar bebendo, ideia que as duas concordaram prontamente. Surgiu então a dúvida de para onde ir?! Então, ao perceber que a Nana estava bastante receptiva, talvez pelo álcool, eu propus: Porque não vamos para um motel?
Nana concordou na hora e perguntou para Cris, que estava no banco de trás do carro, o que ela achava da ideia. Cris por sua vez respondeu para Nana: Você quem sabe, afinal o namorado é seu.
Com o aceite das duas eu mais do que depressa dirigi para o Aspen Motel, um motel localizado na estrada para Campos do Jordão, que na época era um dos melhores na região de Taubaté.
Chegando lá pedi uma suíte com hidro e fomos logo para o quarto. Eu pedi bebidas, coloquei a hidro para encher e fui tomar um banho. Sai do banho e fui para hidro. Logo foi a vez de Nana tomar um banho. Enquanto isso Cris já estava só de calcinha comigo e, após hesitar um pouco, logo começou a chupar meu pau.
Quando Nana voltou do banho e tirou a toalha vi que ela estava toda depilada... nenhum pelinho... aquilo me deixou ainda mais excitado, se é que era possível.
Logo estávamos os 3 pelados na hidro. Meu pau, que não é pequeno, também estava com os pelos bem aparados e parecia que ia estourar de tão duro enquanto as duas se revezavam me chupando.
Pouco depois fomos para cama e, depois de eu dar um belo banho de língua nas duas, gastando muito tempo nas duas bucetinhas, começamos a transar. Eu me revezava, ora comendo uma, oura comendo a outra. Enquanto eu metia meu pau na bucetinha apertada da Cris a Nana ficava me olhando, me acariciando, até que eu senti que viria o meu primeiro orgasmo da noite enquanto metia na Cris. Tirei então meu pau e gozei na barriga da Cris... Muita porra... Estava com muito tesão.
Mas não demorou nada até que meu pau estivesse duro novamente. Antes da Cris voltar do banho eu já estava em ponto de bala novamente.
Mas até então as duas não tinham se tocado. Até que o ápice da noite aconteceu. Nana me colocou deitado, de barriga para cima, sentou no meu pau e começou a galopar. A Cris então veio e sentou no meu peito, ficando de frente para a Nana. As duas então começaram a se beijar e se acariciar. Puxei então a Cris um pouco para trás, de maneira que sua buceta ficou na minha boca. Nesse momento eu chupava a buceta e passava língua no cuzinho da Cris, Nana galopava no meu pau e as duas se beijavam e revezavam chupando os seios uma da outra.
Ficamos assim por alguns minutos até que não me segurei e enchi a bucetinha da Nana com meu gozo.
Depois disso nos vestimos e fomos embora, exausto, mas muito feliz e realizado, pois era a primeira vez que transava com duas mulheres e todas as minhas expectativas foram superadas.
Enfim, foi uma das melhores transas que tive na vida.
Após isso continuamos namorando por mais algum tempo, mas não rolou nenhuma transa como essas. Depois que terminamos elas me procuraram uma vez, mas eu estava com uma outra namorada e deixei a oportunidade passar... se arrependimento matasse...

Comentários

Ainda năo há comentários para esse conto.