Buscar no Portal

06 de Outubro, 2017 ŕs 09:34 Por: wK1

COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ

tags: Esposa puta; corno manso;
Esse conto possui 2675 visita(s).

Me chamo Raquel, 42 aninhos, moreninha safadinha dos seios grandes e coxas grossas, casada safada e liberada.

Maridinho ta com grana para gastar com a puta e vontade uma safadeza. Nesses dias estávamos lembrando das primeiras vezes que ele me viu com outro macho, como ficávamos nervosos, sem saber o que fazer. Então falei para ele.

Eu: - Podiamos repetir.

Mor: - Como assim?

Eu: - Ué, a gente arranja um comedor e finge que eu nunca dei para outro. Que eu casei virgem e que nunca tinha vista outra pica. A gente se veste de forma recatada e eu dou uma de santinha, você insiste e depois eu não quero mais parar.

Ele amou a idéia, amou tanto de ficar com a pica dura. Eu, é claro, como boa putinha já cai de boca enquanto tramávamos o nosso planinho. Safadinho encheu minha boca de leite de imaginar. Após a gozada ele imediatamente resolver entrar na internet e encontrar o meu comedor. Queria uma homem bem aparentado e de preferência bem dotado.

Depois da escolha, ligamos pro primeiro, nada de atender, para o segunda, nada também (Pelo visto não esta faltando emprego nesse ramo), Ligamos para o terceiro e ele atendeu. Garoto muito educado, o marido explicou o que queria, que eu era casada com ele a 20 anos (mentirinha), que eu nunca tinha visto outra pica e que tinha antigo o sonho de olhar para outra rola, só olhar. Disse que apesar do ciúme estava liberando pois me amava muito e queria me fazer feliz. O garoto disse que já estava acostumado com isso, que já tinha atendido muitas mulheres que tinham o sonho de estar de lado de um dotado (a pica dele tinha 23 cm).

Agendamos para 2 dias depois e fomos para o cafofo dele. Um AP muito bem demorado e limpo, um som gostoso, sem ser de motel. Chegamos ele nos ofereceu um vinho, aceitamos. E ali n sala, começamos a conversar, o sofá da onde estávamos dava para ver a cama toda arrumadinha, toalhas do lado. Tudo pronto para uma bela noite de amor.

Ele: - E ai, o que a senhora gostaria de fazer.

Eu, que estava o mais recatado possível. Camisa manga-longa com os botões até em cima, calça jeans, sandália, batom tom de pele: Ai, nem sem com dizer, tenho até vergonha.

Mor: - Como lhe disse o sonho dela é olha uma pica grande, não pela internet, que isso ela já viu, mas ao vivo.

Ele: - Isso é fácil, posso. (Se levantando e começando a abaixar a calça de moleton).

Eu: - Claro que pode.

Ele então tirou abaixou a calça e tirou para fora a piroca. A danada era uma pica negra enorme. Saco todo raspado, cabeça super limpa que até brilhava.

Eu olhei para o mor e: - Posso olhar mais de perto?

Mor: - Claro, hoje ele é seu.

Me fazendo de inocente fui chegando devagarinho até a rola, depois com puder, foi colocando os dedos e depois segurando com a mão aquela rola enorme: - Nosso mor, é muito grande mesmo. Que macia.

Mor: - Tá gostando? É isso que vc queria?

Eu: - Nossa, estou ficando com calor? Posso tirar a calça. ( O mor fingiu que não gostou muito mais deixou).

Me levantei enquanto ele me olhava eu abaixava o jeans, ficando só de calcinha. Eu: - Mor, posso mostrar minha bucetinha para ele, nunca ninguém olhou para ele a naão ser vc.

Mor: - Ah mor, mas isso nós não combinamos.

Eu: - Ah mor, deixa?

Mal ele deu o sinal de sim eu tirei para o lado e mostrei para ele: - Vc comia???

Ele: - A hora que a senhora quiser?

O mor, com a cara de que não estava gostando.

Eu: - Mor posso dar uma bitoca nele?

Mor: - Selinho?

Eu: - Não mor, na pica.

Mor: - Vai, dá uma bitoca.

Comecei beijando o lado a pica do saco e fui subindo, subindo, subindo, até chegar na cabeça da danada, não resisti e coloquei ele na boca: - Hummmmm ( com a rola na boca), que deliciciaaaa (abrindo a boca mas com a pica ainda na língua). Enquanto o mor assistia eu mamava.

Eu: - Deita ai e chupa minha buceta, chupa.

Enquanto ele, deitando no chão chupava minha buceta eu pagava um boquete gostoso no nosso garotão. Ai eu comecei dar uma de putinha, gemer “aiii, aiii, aaii, que gosotoooosoo mor” “Uiiii, que tesão, chupa mais mor” Esfregando a buceta na cara do mor enquanto com a boca pagava um bela boquete como muito barulho de saliva (slup, slup, slup).

Eu: - Mor, não agüento, vou querer dar par ele.

Mor: - Isso não mor, isso é chifre.

Eu: - Mas a gente não conta ninguém. Deixa mor.

Mor: - Mas eu não vo agüentar ver.

Eu: - Não precisa ver não mor, eu vou para o quarto com ele e vc fica esperando.

Mor: - Não sei não mor.

Eu: - Fica esperando ai. Pode bater uma punhetinha enquanto me espera. Vem!! (chamando o garoto para o quarto).

Fomos para o quarto, tranquei o quarto e pedi: - agora quero essa rola toda no meu rabo.

Ele: - CAralho, mas a senhora vai agüentar.

Eu: - Vc não sabe o que já entrou nesse cuzinho, o meu marido pensa que eu nunca vi uma rola diferente, mas na verdade já perdi a conta de quantas picas já comeram esse rabo, Por semana são ums 2 diferentes pelo menos.

Ele (rindo): - Caralho, vc me enganho legal.

Eu: - Então vamos ao trabalho, o meu mozão está pagando.

Ele então encheu meu rabo de KY e foi colocando devagario. A experiência é tudo. Agasalhei a pica toda no meu rabo e depois pedi: “Cavalga, cavalga cavalão”. Com o rabo impinado ele começou a me entrar e sair e eu no tesão, me sirircando toda gemia alto.

Eu: - Aaiiiii, carraalhooo que pica gostosooo, puta que o pariu isso que é rola.

Ele (rindo): - isso que vc queria??? Sente uma rola grossa.

Depois de um tempo sendo enrabada gozei gostoso. Tirei fora, trocamos a camisinha e ele começou a comer minha buceta. Eita pica gostosa, eu é claro não parava de gemer e chamar a pica de gostosa, deliciosa, etc.

No final deu pedi para ele gozar na minha cara, ele perguntou se tinha certeza, se não seria muito para o meu marido ver.

Eu: - Ele precisa ir se acostumando que a sua esposa é putinha mesmo, assim quando descobri as galhas que tem na cabeça não vai doer tamto, né?

Então ele encheu minha cara e peito de porra. E era farta, fiquei cola lambuzada. Com a cara toda lambuzada de porra abri a porta e chamei o mor: - Vem mor, vem ver como fiquei.

Mor: - Meu, o que é isso?

Eu: - Porra mor, nunca viu. Tira uma fotinha dela na minha cara.

Mor: - Como? (fazendo-se de assustado).

Eu: - Uma fotinho mor. Pega o celular.

Mozão assustado pela o celular e eu tiro a foto com a porra escorrendo pela cora, grudada no cabelo e escorrendo pelos seios.

Pedi para o garoto se chegar e me agaixei, coloquei a rola do lado da minha cara, fechei os olhinhos de felicidade e pedi: - Vai mor tira uma foto.

O garotão, acho que acostumado só ria. Eu, lembrando: - Ai moor, olha o estrago que ele fez no meu cuzinho.(me virando para o mor e abrindo o rabo)

Mor: - Que isso bem, vc nunca me deu o cuzinho.

Eu: - Ai mor, mas que fiquei com tesão e não resisti.

O garoto: - Ela é boa nisso.

Mor: - vou poder comer agora.

Eu: - Claro que não, já viu mulher casada dar o cu para o marido, não pode.

Sei que a danada da pica do garoto já esboçava uma reação.

Eu: - Temos tempo ainda (perguntando para o garoto).

Ele: - Opa, pagando a senhor fica a noite inteira.

Eu: - Ai mor, vou querer mais uma vez.

Mor: - Denovo.

Eu: - é muiiito bommm.

Joguei o garoto sentado no sofá, limpei com uma toalha aquela porra que escorria pela cara, barriga e seios, me sentei de costa para ele e de frente para o mor e comecei a cavalgar.

Eu: - Vai mor, tira foto, tira.

O mor, fingindo já conformado tirou diversas fotos. Eu então para humilhar pedi: - Chupa meus seios (que mal tinha limpado a porra)

Eu: - chupa mor.
Ele então caiu de boca nos seios e enquanto cavalgava com a rola toda dentro da minha buceta gemia alto: - Aiiii deliciiiia, aiiiii gosootooos, chupa corno.

Mor (tirando a boca dos seios): - Ai não.

Eu: - Para mão de ser fresco, chupa isso ai. (empurrei a cabeça dele até a minha buceta que estava arreganhada e cavalgando na rola.

Eu: - chupa corno, chupa.

O mor, em tesão eu sei me chupava feito louco. Dali a pouco não resisti e gozei com aquela chupada gostosa do mor e com a pica dura dentro de mim.

Eu: - Aiiiiii deliciiiiia..... Que delicia mozão. Gosooootooso.

Le levantei, tirei a camisinha da pica do garotão e mame: - Hummmm que leitinho gostoooso mor. Vem dar um beijo

Mozão veio e nos beijamos loucamente. Tirei a rola dele para fora e pedi. Quero um DP agora. Maridão sentou e me sentei em cima de pica dele, abri o rabo, o garoto enchei de KY e enfiou só a cabecinha. Comecei a esfregar a teta na cara do mor e chingá-lo: - Gostou da sua puta mor, gostou de ver ela na pica de outro home?

Mor: - Vc é doida.

Eu: - Sou doida não, sou puta. Agora que começamos vou querer mais.

Mor: - Como?

Eu: - Tava pensando em convidar o Paulo e me oferecer para ele.

Mor: - Que isso mor, ma sele é nosso amigo.

Eu: - Mas tem uma cara de mete gostoso, isso tem

Gozamos os dois eu o mor juntinhos enquanto ele mamava minas tetas ainda com gosto de porra do macho.

Mozão pagou o garotão, nos vestimos e fomos embora felizes para casa.

Beijos a todos (na pica para os meninos e na xota para as meninas), da sua Raquelzinha

Comentários

Ainda năo há comentários para esse conto.