Buscar no Portal

03 de Outubro, 2017 às 14:01 Por: Patrícia

Coroa dando pros moleques do condomio

tags: puta, sogra, raiva, tesão, chifre, porraco
Esse conto possui 2872 visita(s).

Boa noite galera. Hoje vou contar a história da minha sobra que deu pra vários meleques, incluindo eu e o namorado da outra filha.

Nunca que eu iria acreditar que "minha sogra" tava dando pros caras do condomínio. Principalmente por achar que ela era lésbica. Já que a puta morava com a namorada que é bonita, só que muito masculina. E a mina é mais nova e "banca a casa".

Era 3 moleques mais novos que eu, que tenho 21. E olha que ela não gosta que eu namore a filha dela por eu tou na universidade e minha namorada tá no ensino médio. Mó puta hipócrita!

Eu tava na quadra com meu cunhado e os cara, e eles comentaram que tavam comendo a coroa. Quando eles contaram, eu fiquei indignado. Não acreditei. O meu "cunhado" disse que também queria, eu olhei torto pro moleque. Mas ele não ficou nem um pouco incomodado. Disseram que comiam "a velha" na churrasqueira 4. Beleza. Não tava levando a sério que era verdade, Dona Gabi era "casada".

Marcamos dois dias depois pra olhar de longe é ver se era verdade.

Puta merda! Os três caras lá, então ela chegou. Sentou num banco num lugar escuro. Que depois a gente passou a manter quebrada as luzes pra aproveitar mais as mães e as filhas do condomínio. Os dois caras sentaram cada um de um lado. E não fizeram cerimônia. Foram com as mãos nos peitos e na xota. Um outro cara colocou o pau pra fora e começou a punhetar. Foi lôco! Vendo aquilo minha bermuda ficou apertada. Cachorra! Não deixa a filha sair sozinha comigo. Puta hipocrisia! Puta hipócrita mesmo. Ela não chegou a tirar a roupa. Já veio preparada. Uma blusa de gola larga que caia nos ombros. Fácil pra pagar peitinho. E uma saia. Ela é muito fácil.

O cara que tava em pé com o pau mão, se ajoelhou e abriu as pernas dela e meteu até gozar. Outro fez a mesma coisa. Foi o Vini que ficou sentado e mandou ela sentar em cima. Eu sei o que aquele FDP tava pensando. Ele queria esfregar na minha cara que minha sogra era puta, puta que dava pra moleques. Para deixar mais fulo. Confesso que fiquei, mas na real era inveja dos moleques. Eu tava com a filha que não dava pra mim, vivia na punheta e eles tavam pegando um mulherão de 35 anos, gostosa. Uma Loiraça com cara de superiora. E que até então eu achava que era.

Eu pensei que ela tava dando pro Vini pra cumprir tabela, já que ela tinha levado 2 picas. A desgraça ainda não tava saciada. Ele levantou bem a saia pra gente ver ele enterrar a vara na cachorra. Ele tava orgulhoso e eu tava irado em saber que aquele moleque de ensino médio bombava dona Gabi. Mas Vini era seguro. Mas que os outros caras, que tava na cara que não tinha muita experiência. Acho que ela gozou umas duas vezes com o Vini, pois os dois caras só atiçaram mais o fogo dela sem moral pra fazer gozar. Vini mesmo já tava pra gozar. Chamando d. Gabi de cachorra loca por pau e outra putarias.

Quando eu percebi o Pablo não tava mais do meu lado. Foi pra perto da foda. Esperar a vez dele. Não acreditei que o cara queria foder a sogra.

Vi uma pequena discussão. Foi meio tenso. Pensei que ela iria sair dali. Ainda não acreditei quando ela se ajoelhou e mamou no genro. Putz! Cara, sou um cara adulto e sou um cara certo. Aquilo era o fim da picada.

Pra fechar com chave de ouro, ela deitou no chão. No chão, cara! Ele deitou entre as pernas dela. Ele metia e ria com caras e fazia “toca aqui” se comprimentano. Ele ficavam lá com aquele comportamento de moleques. Mas fazer o quê? A piranha gostava disso, caso contrário tava dando pra cara Adulto.

Minha raiva dos caras passou pra ela. Tava irado com ela. De não se preocupar com as filhas, se expor a esses meninos. Mas. Mas eu estava com tesão. Fiquei pensando se ela também iria aceitar comigo. Fiquei um momento em dúvida e resolvi que era justo que ela me pagasse o que ela tava bloqueando com minha namorada, a filha dela.

Fui para o lado deles. Fiquei em pé olhando. Ela me viu. Houve uma hora que ela ficou me encarando. Enquanto o Pablo metia com força. E para minha surpresa, ela rebolava e gemia. Muito puta. Tava gostando. Quando eles terminarem, ela já ia vestir a calcinha. Eu disse "fica nua. Falta eu". Ela não discutiu. Só perguntou se eu tinha camisinha. Eu disse que não. Esperei ela falar alguma coisa, mas ela não disse nada.

Mandai ela se levantar:

Eu: "Ei! levanta. Vou te fuder do meu jeito."

Dona Gabi: "como que vc quer?"
(Uma mulher chic como ela sendo puta submissa. É uma coisa de outro mundo. Que tesão!)

Falei: "não vou usar camisinha. Você não tá em condições de negociar, não é? Não se preocu, eu sou limpo"

Dona Gabi: "E se Rochelle quiser transar hoje? Ela vai notar gala na minha boceta"

Falei: "olha! Tamo perdendo tempo. Vc não trepa com tua mulher hj. Não é possível que vc ainda tenha fogo pra isso hj"

Dona Gabi apenas riu safada e disse que eu não sabia o tamanho do tesão dela. Que mulher piranha, amigos. Pra minha sorte pra sorte da molecada e de um ou dois moradores adultos do condomínio.

Tirei minha camiseta e dei um abraço naquela putona deliciosa. Sentindo os peitos dela, que logo eu comecei a mamar. Foi uma sarrada muito boa. Ela gemendo, falando putaria. É uma mulher que adora sexo, boa de cama e que faz tudo para aproveitar a foda. Essa mulher é um furacão! Mas eu já tava a muito tempo esperando e ela não tinha muito tempo pra tá ali. Disse que ia meter rola nela e que ela fosse comigo pra mesa de mármore.
Eu abraçando aquela gata por trás e ela empinando o traseiro. Que bunda! Ela com meu pau entre as pernas dela fazendo uma paradas que encaiva gostoso e massagiava o grelo dela além de “punhetar” minha rola. A piranha com certeza fudia outro caras mais velhos. Ela sabia técnicas, que com certeza não aprendeu com aqueles caras. Fui andando abraçando a putona por trás. Massageando os peitos gostosos e e dedilhando o grelo dela. Porra! A cadela tava muito excitada. Gemendo. Que puta!

Ela se apoiou na mesa.

Ela: como vc quer?

Eu: gosto de vc assim, submissa. Vira fica de costas. Quero que vc empine sua bunda.

Ela não perguntou mais nada. Eu podia ter metido no cu dela. Mas queria comer bem aquela boceta. Meti meu pau e ela suspirou. Rebolava gostoso. Aquela boceta incrível massageava meu mastro. Ela tava gostando. Ela não é exagerada “oh my god1”, esse tipo de piranha que geme falso como em filme pornô. Falei pra gente mudar de posição. Pra ela virar pra mim, queria ver a cara dela enquanto eu fodia minha "sogrinha piranha doida por pau". Ela virou pra mim e foi melhor ainda. Ela ficou me olhando nos olhos e suspirando e gemendo. Era depois ver aquela mulher ofegante. Sentir aquela xoxota quentinha e molhada abraçando meu caralho.
Vadia! Ela gozou algumas vezes. Eu gozei dentro dela gostoso. Pensei em não fazer. Ter "alguma consideração". Mas ela merecia a porra que ordenou tão bem. E foi um extra ver ela vestindo a calcinha sabendo que minha porra tava dentro dela e os descer e melecar a calcinha. Depois de toda essa putaria, nos vestimos e seguimos para casa dela.

No caminho não pude deixar de perguntar várias coisas e ela me respondeu boa parte.

Eu: pq vc faz isso?

Ela: isso o quê? (Sonsa)

Eu: "isso de ficar dando pra esse molekes, trair sua esposa e ainda correr o risco de todo condomínio ficar sabendo... e seu colégio. Um dos teus alunos tá te fodendo"

Ela: "olha, não tenho obrigação de te dar nenhuma resposta. Eu fodo esse molekes pq eles foram atrás de mim. E o Miguel tem 16 anos, então não tem problema. E tá rolando aqui no condomínio, não no colégio. Tenho certeza que todo mundo sai ganhando. Eu que levo rola e eles que ganham experiência." ( Puta estudada é outra coisa, sabe armentar)

Eu: "ok. Mas a sua esposa? Vc não ama mais, ela não te satisfaz?"

Ela: "amo muito e ela é ótima de cama. Mas é ciumenta e não quer ter um relacionamento aberto. Eu quero um relacionamento aberto. Não tem nada errado nela ou comigo. Eu só tenho uma libido muito grande."

Eu: "mas você deixou eu e o Pablo foder vc. Vc não achou isso demais?"

Ela: "não seja escroto. Pq vc não se pergunta você e Pablo quiseram meter vara na mãe das namoradas de vcs?

Parei por aí. Até porque o palavriado que aquele vadia gostosa tava usado tava me deixando de pau duro de novo.

Chagamos em apartamento e Gi e Ma ainda não havia chegado da casa do pai. Logo ia chegar a Rochelle. Perguntei se ela queria chupar meu pau. Ela disse que sim, mas não dentro da casa delas. Era pra rir, que dizer que fora da casa podia até gozar dentro dela...

Em menos de um mês isso mudou. O Pablo negócio pra ela liberar a Gi pra sair a noite é com isso a Marina também foi liberada. Notei que dona Gabi tava ficando cada vez mais puta dá vida com ele. Mas ele continuo fodendo ela na área de lazer do condomínio toda semana. E parecia até que ela tá gostando mais dele durante a foda que antes. Tenho que dar parabéns ao moleque. Ele organizou melhor a foda. Agora ela já levava dois ao mesmo tempo.

A propósito, a regra de não fizer dentro de casa também.
Ela não perguntou mais nada. Eu podia ter metido no cu dela. Mas queria comer bem aquela boceta. Meti meu pau e ela suspirou. Rebolava gostoso. Aquela boceta incrível massageava meu mastro. Ela tava gostando. Falei pra gente mudar de posição. Pra ela virar pra mim, queria ver a cara dela enquanto eu fodia minha "sogrinha piranha doida por pau". Ela virou pra mim e foi melhor ainda. Ela ficou me olhando nos olhos e suspirando e gemendo. Era depois ver aquela mulher ofegante. Sentir aquela xoxota quentinha e molhada abraçando meu caralho.
Vadia! Ela gozou algumas vezes. Eu gozei dentro dela gostoso. Pensei em não fazer. Ter "alguma consideração". Mas ela merecia a porra que ordenou tão bem. E foi um extra ver ela vestindo a calcinha sabendo que minha porra tava dentro dela e os descer e melecar a calcinha. Depois de toda essa putaria, nos vestimos e seguimos para casa dela.

No caminho não pude deixar de perguntar várias coisas e ela me respondeu boa parte.

Eu: pq vc faz isso?

Ela: isso o quê? (Sonsa)

Eu: "isso de ficar dando pra esse molekes, trair sua esposa e ainda correr o risco de todo condomínio ficar sabendo... e seu colégio. Um dos teus alunos tá te fodendo"

Ela: "olha, não tenho obrigação de te dar nenhuma resposta. Eu todo esse molekes pq eles foram atrás de mim. E o Miguel tem 16 anos, então não tem problema. E tá rolando aqui no condomínio, não no colégio. Tenho certeza que todo mundo sai ganhando. Eu que levo rola e eles que ganham experiência." ( Puta estudada é outra coisa, sabe armentar)

Eu: "ok. Mas a sua esposa? Vc não ama mais, ela não te satisfaz?"

Ela: "amo muito e ela é ótima de cama. Mas é ciumenta e não quer ter um relacionamento aberto. Eu quero um relacionamento aberto. Não tem nada errado nela ou comigo. Eu só tenho uma libido muito grande."

Eu: "mas você deixou eu e o Pablo foder vc. Vc não achou isso demais?"

Ela: "não seja escroto. Pq vc não se pergunta você e Pablo quiseram meter vara na mãe das namoradas de vcs?

Parei por aí. Até porque o palavriado que aquele vadia gostosa tava usado tava me deixando de pau duro de novo.

Chagamos em apartamento e Gi e Ma ainda não havia chegado da casa do pai. Logo ia chegar a Rochelle. Perguntei se ela queria chupar meu pau. Ela disse que sim, mas não dentro da casa delas. Era pra rir, que dizer que fora da casa podia até gozar dentro dela...

Em mês de um mês isso mudou. O Pablo negócio pra ela liberar a Gi pra sair a noite é com isso a Marina também foi liberada. Notei que dona Gabi tava ficando cada vez mais puta dá vida com ele. Mas ele continuo fodendo ela na área de lazer do condomínio toda semana. E parecia até que ela tá gostando mais. O cara tem moral, tenho que admitir. Organizou a foda e agora dois ou três caras por vês são servidos pela dona Gabi. Ela adorou, pois agora dá tempo dos caras se recuperarem parada dar duas.

Gosto de pensar que sou o único dos caras que ela fode por fora, mas ta na cara que ela deve foder o Pablo e os outros, principalmente o Vini por fora.

A propósito, a regra de não fizer dentro de casa também.
Fica mais fácil fazer sexo com minha namorada agora que ela pode sair de casa só comigo.





Comentários

Ainda não há comentários para esse conto.