Buscar no Portal

02 de Outubro, 2017 às 09:08 Por: wK1

Exibindo a xotinha na praça para a garotada sem o corno ver

tags: Casada Puta; corno manso;
Esse conto possui 2702 visita(s).

Me chamo Raquel, 42 aninhos, moreninha safadinha dos seios grandes e coxas grossas, casada safada e liberada.

No dia seguinte ao das fotinhas no mato com o Sr Francisco (comedor) o meu mozão disse que tinha um sonho a realizar, sonho que já tinha desde antes do nosso casamento, mas que na época nem passava pela cabeça realizar. O seu sonho era me ver vestida de noiva trepando com outros homens.

E não é que o safado mandou lançar e arrumar o meu vestido de casamento que estava embalado lá em casa e que a muito tempo nem via. Estava novinho como quando nos casamos. Fiquei até emocionada de ver, e juro que até rolou uma lagriminha nos olhos.

O corninho perguntou se eu topava uma trepadinha vestida com o nosso vestido de casamente. Acho tão meio a forma com que ele pede as coisas. Não tem como dizer não, né? Em casa, apesar de ser uma putinha que dá para todos é tudo sempre consentido. Por isso as coisas funcionam. É um prazer para os dois as minhas trepadas com outros homens. Não façam isso se não for assim, somente por curiosidade as coisas não dão certo.

É claro que topei. E já estava tudo armando, a noite ele havia convidado, convidado não, contratado alguns negros fortes e com rolas grandes, não super dotados, mas grandes, de 19 a 22 cm. Afinal ele queria em todos os buraquinhos e muito grande atrapalha numa suruba, já que rasga tudo e depois nem dá mais para dar. E olha que falo por experiência de puta. Uma boa suruba os pintos devem ser médios. KKKK.

Eu me preparei toda, vestido, maquiagem. Até cabelo fiz com uma tiara de pedras de diamantes (de brincadeirinha né). Calcinha grande como usava na época do casamento. Salto alto. Confesso que o vestido foi um pouco difícil de entrar, masgraças a academia que venho fazendo consegui. Tudo bem que ele me disse depois que pediu para alargar um pouquinho na costureira sem me falar nada.

Ela por volta das 8 da noite, sai na sala conforme o combinado e não tinha ninguém. A sala arrumada, um champagne na mesa de centro. Televisão ligada na globo. Tudo calmo. Me sentei, peguei o champagne e fui assisti TV. Dali a alguns minutinhos um carro chega e quem era. (pensei em um negrão pelado com a rola dura para fora). Que nada, era minha amiga Pat e minha sobrinha (safadinha). As damas de honra (kkk).

Estavam a caráter. Vestidinho curso lilas, batom vibrante, salto alto e claro, sem calcinhas. Mas são muito putinhas essas minhas amigas.Chegaram e começamos a conversar sobre a surpresa que o marido me aprontou. Elas (as safadas) já sabiam fazem 1 mês, inclusive a putinha da minha sobrinha numa dessas vezes que encontrou o meu maridinho deu o rabinho para ele e nem me aviso. Safada!! Dá para confiar numas amigas dessas.

Estavamos as três excitadíssimas. A minha sobrinha estava raspadinha e por ser novinha (18 aninhos) parecia uma ninfeta. Coisa linda de ver meter. Toda assanhadinha querendo ver as rolas negras. Eu Já foi falando: - As rolas são todas minhas, se quiserem fiquem na siririca.

Pat: - Gulosa.

Sei que por volta as 21:00 estacionam 2 carros e saem de dentro uns 5 negros fortes vestidos de terno preto. Bem elegantes juntamente com o meu maridinho.

Mor: - Chegamos mor.

1 negro: - A senhora que é a mulher do sr XXXX.

Eu (Toda melada de ver tanto homem lindo. o mor soube os machos para comer sua esposa): - Sim, sou eu. Nossa, quando homem bonito.

Eles foram se chegando e já me apalpando minha bunda por traz. Minha sobrinha foi logo caindo nos braços de um deles: - Tia, tia, posso ficar com esse, posso??? (enquanto esfregava a mão na rola do comedor).

Eu: - Vcs são muito safadinhas mesmo. O casamento é meu, e os presentes também. (kkk).

Maridão com a câmera na mão foi tirando fotinhas e pedindo: - Podem brincar. De leve para começar.

Então começamos a nos esfregar naquela homadara gostosa. Esfregava a bunda na pica dura ainda dentro da calça. Elas as safadas faziam mesma coisa, enquanto os machos nos apalpavam na bunda, nos seios, na buceta. Por cima do vestido, por baixo. De tudo que foi jeito.

Até que depois de um tempo não resiste e me agaixei para tirar aquela rolarada para fora. E uma a uma fui tirando e mando. O marinho é claro, só na fotos. Eu ainda completamente de vestido de casamente e eles com as rolas na minha boca e ombro. De 2 em dois, as cinco ao mesmo tempo roçando a minha cara.

O mozão, ainda sem tirar o vestido pediu: - Quer porra na carinha da puta. Quero porra no vestido.

E é claro os homens obedecerem. Começei aquele boquete frenético, as damas de honras ajudando, mas na hora do bukkake foi tudo na minha carinha. Depois de tudo melado, olhei para ele com a cara e o vestido cheio de porra: - Isso que vc queria amor, isso que vc queria ver.

Mor: - Isso mesmo mor (segurando a rola batendo uma punheta foi o ultimo a gozar no vestido todo).

Me levante, limpei aquela porra toda no vestido e peguei as camisinhas e falei para as amigas: - Tá tudo liberado.

Sentamos cada uma num macho, eu ainda de vestido, mas com as tetas de fora cavalgava no macho no meio do sofá enquanto as 2 damas de horas cavalgavam ao lado. Maridão claro, continuava nas fotinhas e videozinhos.

Mete sentando de pé, deitada sob a mesa, apoiada no sofá com as pernas abertas. Foi uma putaria só. Rolou DP no sofá, anal com pica na boca, tudo que o marido queria. Ele era o diretor. As amigas só aproveitavam o resto, kkk.

Os machos eram bons (profissionais), foram muitas pedidas e os dados não amoleciam não. Sei que ficamos nesta putaria por umas 3 horas pelo menos. Até todas se esbaldarem. Maridão pagou o serviço dos machos e fomos os 3 para o banho.

Tirei o vestido e o maridão pediu para deixar secam a porra toda porque iria guardar assim mesmo. Coisinha de corno, vai entender.

Dormimos os 4 juntos na cama de casal e não é que na madrugada acordo, cade meu marido??? Vou para sala e o safado está fudendo a safada da sobrinha e sem camisinha. Mas não é uma putinha essa minha sobrinha. O meu marido não tem culpa, a safada vive querendo dar o cuzinho para ele. Assim o homem não aguenta. E olha que a safada tem um corpinho de puta, com peitinhos novos e durinhos (apesar de pequenos), buceta raspadinha e cuzinho aberto que confesso, até eu fico com tesão.

Qem gostou comenta. Beijos a todos (na pica para os meninos e na xota para as meninas), da sua Raquelzinha.

Comentários

06 de Outubro, 2017 às 13:40
wwolf
O conto é muito bom, mas está repetido. O título "Exibindo a xotinha na praça para a garotada sem o corno ver" não tem nada haver com o conto que é o mesmo de "Fantasia do corno: Me ver trepando com o vestido de casamento".
06 de Outubro, 2017 às 13:37
wwolf
O conto é muito bom, mas está repetido. O título "Exibindo a xotinha na praça para a garotada sem o corno ver" não tem nada haver com o conto que é o mesmo de "Fantasia do corno: Me ver trepando com o vestido de casamento".
03 de Outubro, 2017 às 17:47
DotadoSafado
ótimo conto..sempre que leio fico puto de tesão e com vontade de conhecer esse tipo de mulher safada, as vezes sendo uma evangélica, mãe, dona de casa..crente..comprometida enfim mulher que gosta de ser bem fodida, ou tenha fantasias e desejos mesmo que as vezes não tenha coragem pra falar mais morre de desejo,quero até mesmo ajuda-la a perder a timidez e mostrar todo desejo e vontade reprimida. quem sabe ajudando a conhecer esses desejos e vontades...whats (47).9212.6411.

1