Buscar no Portal

03 de Setembro, 2017 às 15:49 Por: thoreko

Comi minha tia na Chacara

tags:
Esse conto possui 7246 visita(s).

Era mês de dezembro e Julia (a priminha que mora na cidade grande e que foi com quem eu dei minha primeira trepada) e sua mãe Tia Marina chegaram para passar as férias em nossa cidade. Julia estava linda, com o corpo mais formado, bem ninfetinha mesmo e tia Marina era uma mulher linda, loira bem branquinha, olhos azuis, seios pequenos, quadril largo e coxas grossas, um pouquinho acima do peso mais nada exagerado, acredito que tinha uns 30 ou 32 anos. Todas as vezes que eu olhava pra ela me lembrava das coisas que Julia contou que viu ela fazendo com o Tio a cama e então corria pro banheiro tocar uma punheta kkkkk.
Por aqueles dias seria o aniversário de Julia e tia Marina alugou uma chácara para passarmos o final de semana e comemorar o aniversário da filha. Na sexta feira tia Marina me convocou pra ir com ela na chácara arrumar tudo para o final de semana, eu era o mais velho e maior dos primos, estava com 15 anos. Amanheceu e la fomos nos bem cedinho. Tia Marina usava uma camiseta branca sem sutiã e uma bermuda de lycra enfiada no rego e mostrava bem o tamanho da sua xoxota, era um pacotão. La chegando colocamos as bebidas pra gelar, limpamos a casa, lavamos o pátio e em volta da piscina, abastecemos a churrasqueira de carvão e lenha e tudo mais que era necessário fazer.
Ao terminarmos tudo estávamos exaustos e suados pois estava muito calor e então tia Marina me convidou a dar um mergulho o que recusei dizendo que estava somente com a bermuda jeans e que eu não usava cueca e depois iria molhar o banco do carro, então ela me respondeu que estava na mesma situação minha e que se eu guardasse segredo poderíamos nada sem roupas e já foi tirando a camiseta o mostrando aquele peitinho pequenininho e já em seguida abaixou a bermuda e pude ver o quanto era gordinha sua bucetinha e lisinha também, sem nenhum pelinho e de imediato mergulhou me chamando pra ir também. Tirei então minha roupa meio que envergonhado pois ela era minha tia e meu pau já estava meio duro por tê-la visto pelada e então pulei rapidamente na piscina pra disfarçar.
Ficamos ali brincando mais procurei manter uma certa distância de tia Marina mais ela sempre dava um jeitinho de se aproximar de mim e numa dessas vezes ela me disse: Bem que a Julia me disse que você tinha um pinto grande, fiquei assustado mais ela me tranquilizou dizendo que sabia de tudo e que sempre que podia incentivava a filha a transar. Disse isso e tentou sair da piscina mais como não tinha escadinha não estava conseguindo e me pediu pra ajuda-la. Segurei ela pela cintura e nesse momento meu pau já estava duro pela nossa conversa e por estar ali com aquela mulher pelada nas minhas mãos, forcei para levanta-la mais meu pau se encaixou na sua bunda o que fez ela olhar pra trás rapidamente pulando para fora da piscina e sentando na beirada.
Me aproximei dela e pedi desculpas e expliquei que era instinto ela então me puxou pra perto, deitou minha cabeça em suas pernas e disse que entendia e que já estava com essas situações com os amiguinhos de Julia. Fiquei ali deitado naquelas pernas macias por um instante com ela acariciando meu rosto até que percebi que as suas pernas foram se abrindo me colocando cara a cara com aquela bucetona. Levantei a cabeça meio que assustado e olhando pra ela ouvi ela me pedir: Vem sobrinho querido, lambe a bucetinha da tia, pode lamber sem medo faz muito tempo que ninguém mete nela e então puxou minha cabeça encaixando no meio de suas pernas grossa que se abriram deixando também bem aberta aquela buceta que era grande somente por fora mais era bem pequena. Meti a língua e comecei a lamber aquela bucetinha que tinha um sabor doce mais eu não sabia como fazer direito e então ela segurou minha cabeça e foi me conduzindo e dizendo o que eu tinha que fazer. Num instante já estava bom naquilo.
Me chamou pra sair fora d’agua, sentou-se na espreguiçadeira e enfiou meu pau inteiro na boca e mamou por um bom tempo sempre elogiando o tamanho que acho que era uns 17 cm grosso. Ela dizia que era bem maior que o pau do tio, que o pau do tio era muito pequeno e não satisfazia ela. Então ficou de quatro e pediu pra meter bem fundo nela, pra fazer ela gozar muito. Me posicionei então atrás daquele bundão branco mais lindo encostei o pau na sua bucetinha e como estava bem melada foi entrando de uma so vez e comecei a foder aquela mulher que urrava na minha pica meio assustado pois nunca havia passado por uma situação assim. Quando ela percebeu que eu estaria perto de gozar me pediu pra meter no seu cuzinho mais pra ir com cuidado pois nunca havia dado. Dei uma cuspida e fui metendo mais não foi difícil de entrar e quando já estava tudo dentro ela começou a rebolar e jogar aquela bunda pra trás e dizia coisas que eu não entendia muito mais gostava de estar ouvindo e fui metendo com força até que enchi aquele cuzinho com minha porra.
Ficamos um pouco ali deitados descansando e depois fomos nos banhar pois já estava ficando tarde e la no banho ela me chupou até que eu gozasse em sua boca o que ela engoliu tudo. Ao final ela me disse que se eu guardasse segredo essa seria a primeira de muitas fodas que iriam acontecer e que eu metia muito melhor que o tio. Disse ainda que iria armar uma situação pra eu comer ela e a Julia juntas, mais essas é uma outra história.

Comentários

20 de Setembro, 2017 às 23:59

Sempre tem homens com essa vontade de ver ela com outros... e por isso Sempre que leio fico puto de tesão e penso que temos de prestar mais atenção pois a mulher tem desejos e vontades, sim de ser safada mesmo, de sentir prazer como nunca entre 4 paredes, independente se é evangélica, mãe, dona de casa..crente..comprometida, seja como for..tem vontade de ser bem fodida, descobrir o que sabe que existe dentro dela.. pena que as vezes não tenha coragem pra falar mais morre de desejo,por isso gosto de conversar, ajuda-la a perder a timidez e mostrar todo desejo e vontade reprimida. Nada com uma conversa pra isso...whats s (quatro, sete) nove, dois, doze, meia, quatro, onze (47,92,12,64,11,)

1